sábado

Resenha: Quando eu era Joe - Keren David

Editora:  Novo Conceito 
ISBN: 978-85-8163-339-8
Ano: 2014
Páginas: 318
Classificação: 3/5
Sinopse: Imagine o que é perder, em uma única noite, sua casa, seus amigos, Como é possível viver mentindo sobre todas as coisas? Sua escola e até mesmo o seu nome. Aos 14 anos, Ty presencia um crime bárbaro num parque de Londres. A partir desse momento, tudo muda para ele: a polícia o inclui no programa de proteção à testemunha, e Ty é obrigado a assumir uma vida diferente, em outra cidade. O menino ingênuo, tímido, que costumava ser a sombra do amigo Arron, matricula-se na nova escola como Joe... E Joe não poderia ser mais diferente de Ty: faz sucesso com as meninas, torna-se um corredor famoso... Joe é tão popular que acaba incomodando os encrenqueiros da escola. Ser Joe é bem melhor do que ser Ty. Mas, logo agora, quando ele finalmente parece ter se encaixado no mundo, os atentados e ameaças de morte contra sua família o obrigam a viver no anonimato, em fuga constante e sob a pressão de prestar depoimentos sobre uma noite que ele gostaria de esquecer. Um livro – de tirar o fôlego! – sobre coragem e sobre o peso das consequências do que fazemos

Quando eu recebi o pôster promocional do livro “Quando eu era Joe” eu já me empolguei demais. Pois a frase de impacto “como é possível viver mentindo sobre todas as coisas?” me deixou pra lá de intrigada. E foi aí, que as expectativas ficaram enooormes.

Quando eu recebi o livro, logo me empolguei para lê-lo, e foi o primeiro da pilha de recebidos que eu li. E até agora eu fico pensando no porque do livro, não ter alcançados todas as minhas expectativas.

O tema do livro, com certeza é algo bem incomum. Eu nunca li nada nesse gênero. E acredito que imaginei um livro bem pesado, bem sombrio. Mas o livro é bem o contrário disso. A autora criou uma trama toda voltada a adolescências e seus dilemas. E abordou de forma bem simples e natural, temas como: deficiência física, bullying, gravidez precoce, auto mutilação, a falta de atenção dos pais, violência e etc.

E foi aí que a história deixou a desejar, no meu ponto de vista. Não que o livro seja ruim, ou mal escrito, pelo contrário. Mas eu acho, que a autora podia ter abordado o tema de uma forma diferente.

Mas os personagens são bem cativantes, e fiquei com muita vontade de saber mais sobre Ellie e Clarie. Duas personagens que tinham aquele “quê” a mais. Espero que nos próximos volumes, essa vontade seja sanada. O livro também, me fez refletir, “Será que se eu tivesse a oportunidade de mudar de nome, cidade, aparência. Eu seria a mesma pessoa?”


Mesmo o livro tendo me decepcionado um pouco, eu não vou deixar de acompanhar o restante da trilogia. E espero que você, faça o mesmo.

Kamila Raupp

4 comentários:

  1. Oi Kamila, eu gostei do livro, em relação aos personagens, não gostei da mãe do Joe/Ty, muito infantil.
    Bjs, Rose.

    ResponderExcluir
  2. Eu gostei bastante desse livro.
    Não tinha muitas expectativas com a história, talvez tenha sido por isso.
    Mas também acho que o tema poderia ter sido melhor abordado, achei que focou mais nos dramas adolescentes e acabou perdendo um pouco do que poderia oferecer. Mas estou bem curiosa pra saber como vai ser a continuação dessa história.
    Bjo

    ResponderExcluir
  3. Deve ser muito bom.....
    Curti bastante a resenha

    ResponderExcluir
  4. Ah!!
    Parece ser muito bommmmm!!!!!
    Adorei!
    Vou ver se consigo comprar!

    ResponderExcluir