terça-feira

Resenha: Ladrão de Almas - Alma Katsu


Ladrão de AlmasEditora: Novo Conceito
ISBN: 978-85-8163-037-3
Ano: 2012
Páginas: 430
Classificação: 2/5
Sinopse: No turno da noite em um hospital em Maine, Dr. Luke Findley espera ter outra noite tranquila com lesões causadas pelo frio extremo e ocasionais brigas domésticas. Mas no momento em que Lanore McIlvrae — Lanny — entra no pronto-socorro, ela muda a vida dele para sempre. Uma mulher com passado e segredos misteriosos, Lanny não é como outras pessoas que Luke já conheceu. Ele é, inexplicavelmente, atraído por ela... mesmo ela sendo suspeita de assassinato. E conforme ela conta sua história, uma história de amor e uma traição consumada que ultrapassa tempo e mortalidade, Luke se vê totalmente seduzido. Seu relatório apaixonado começa na virada do século XIX na mesma cidadezinha de St. Andrew, Maine, quando ainda era um templo Puritano. Consumida, quando criança, pelo amor que sentia pelo filho do fundador da cidade, Jonathan, Lanny qualquer coisa para ficar com ele para sempre. Mas o preço que ela paga é alto — um laço imortal que a prende a um terrível destino por toda a eternidade. E agora, dois séculos depois, a chave para sua cura e salvação a depende totalmente de seu passado. De um lado um romance histórico, de outro uma história sobrenatural, The Taker é uma história inesquecível sobre o poder do amor incondicional não apenas para elevá-lo e sustentá-lo, mas também para cegar e destruir — e como cada um de nós é responsável por encontrar o próprio caminho para a redenção.

O livro conta a história de Lanny, uma jovem imortal, que se vê em o pior dilema de sua vida. Ter matado o seu grande amor Jonathan. Desesperada, ela pede ajuda ao médico que lhe atende, Luke. Com a sensação de pertencer a ela, Luke a ajuda a fugir. No meio disso tudo, Lanny revela a sua história, e seus segredos a ele. Conta como conheceu Adair (o suposto “chefe”) que a transformou.

É um livro longo, que se passa no tempo atual e em séculos passados. Contando a história de Lanny e Adair. O livro tem uma temática boa, e bem abordada nos últimos tempos, a imortalidade. Sendo que o assunto, foi abordado de uma forma diferente do que se tem visto, como algo ruim, um castigo, um peso na vida dos personagens.

Mas a autora, ao meu ver, não foi muito feliz com a sua escrita e narração. O livro é muito cansativo. Não me prendeu a atenção e não despertou muito meu interesse em saber mais sobre a trama.

Ficou muito enrolado, pois contava detalhadamente tudo que aconteceu na vida anterior dos personagens. Ok, isso é um fato importante para a história, mas ela se alongava muito, por diversos capítulos. Sendo bem franca, não gostei do livro. Quando parece que iria dar uma reviravolta na história, ficou inúmeros “??”. Mas não como algo instigante, como algo esquecido e sem importância.

Sei que o livro é o primeiro da trilogia, e pode ser que toda essas histórias, sejam apenas um inicio, uma "arrumada no terreno" para o que vem por aí. A diagramação do livro e a sua capa são maravilhosas, pontos  para a Novo Conceito.

Lembrando que essa é a minha opinião, então eu recomendo sim a leitura do livro. Buscar conhecer esse novo jeito de ver a imortalidade.  E depois dê uma passada por aqui, para me contar o que achou. 

Classificação Completa:
Capa: 5/5
História: 3/5
Narrativa: 2/5


Kamila Raupp

4 comentários:

  1. Parabéns pela resenha Kamila! Estou ansiosa para ler Ladrão de Almas! Beijo!

    ResponderExcluir
  2. Pois é eu não estou muito interessada e já vi resenhas negativas mas quem saiba nas férias eu leia? POis então adorei a resenha e vc ser franca pois está faltando ultimamente.

    Bjs

    ResponderExcluir
  3. Menina terminei de ler este livro ontem , lutando contra o sono....

    Eu ainda não sei se gostei ou não do livro...teve horas que eu me senti enrolada, o que é um saco, e em outros momentos eu achava a história legal.....

    Resumindo: ainda estou indecisa quanto a minha opinião;

    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Li o livro, meio que pulando, pois a narrativa era muito cansativa e mesmo pulando não perdi o fio da meada.... sei que não é o correto, mas se não fizesse isso, não terminaria nunca o livro.
    Li o livro, mas não sei se leria os outros dois....

    ResponderExcluir